Processamento Técnico

De Wikipampa
Revisão de 17h54min de 19 de abril de 2017 por Marlucyfarias (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa



São atribuições da Seção de Processos Técnicos:

I. controlar e gerenciar a terminologia do Sistema de Bibliotecas;

II. coordenar o processamento técnico do acervo;

III. elaborar políticas de padronização da base de dados;

IV. zelar pela uniformidade das informações constantes no Sistema utilizado pelas bibliotecas;

V. executar atividades inerentes à Seção;

VI. enviar relatórios semestrais para a Coordenação de Bibliotecas, contendo as atividades realizadas pela Seção no período abordado.


Catálogo Decisório do Setor de Processamento Técnico SISBI:

O setor de processamento técnico utiliza o módulo direcionado à biblioteca, sendo responsável pela análise temática e descritiva de todo material bibliográfico que deverá ser inserido no acervo das Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa. Assim os usuários terão acesso às informações atualizadas, relevantes e de real valor.

           Os instrumentos de trabalho do(a)s bibliotecário(a)s são: AACR2, Tabela Cutter, CDU e CDD.
           Atividades desenvolvidas pelo setor de processamento técnico das bibliotecas da Unipampa são de catalogação, classificação e indexação, utilizando o 2º nível e adotando o formato MARC 21. 

De acordo com Van der Laan, Ferreira (200?, p: 1):

“A complexidade do processo de indexação cada vez mais se amplia, uma vez que os Sistemas de Recuperação da Informação (SRI) estão conectados em rede, não mais atendendo apenas um público específico.” Nunes (2004, p. 55) reforçando nos coloca que: Indexar significa representar o conteúdo temático de um documento, o que se faz mediante a determinação do assunto de que trata o documento, a seleção dos conceitos relevantes associados ao assunto determinado e à tradução desses conceitos para os termos autorizados de uma linguagem documentária. Geralmente, por linguagem documentária entende-se uma lista de cabeçalhos de assuntos ou um tesauro. Contudo, a simples utilização de um desses instrumentos, por si só, é insuficiente para que se alcance a tão almejada boa qualidade da indexação.

          A utilização de normas na catalogação tem o objetivo de padronizar a inserção dos dados, auxiliando na recuperação dos mesmos pelos usuários das bibliotecas. Dessa forma evitará problemas como duplicação de dados e registros, tanto de autoridades como de termos, de obras, etc. Evitando dessa forma que futuramente sobrecarregue o SIE, ou qualquer outro sistema que venha a ser utilizado pela instituição.
           Observações importantes: Responsabilidade não é só autoria, existem as outras situações em que têm que ser adotados critérios para evitar problemas futuros.

Principais Problemas detectados:

  • Falta de padronização na indexação das informações;
  • Repetições de informações no sistema.

Estabelecer classificações:

Vocabulário controlado: consiste num instrumento de controle terminológico que é responsável por estabelecer a forma de representar os assuntos que compõem um conjunto de áreas do conhecimento, tornando possível maior coerência entre os termos indexados.

  • O nível de catalogação adotado será o 2 º Nível;
  • Fazer novas inserções de obras no SIE:

Somente se a obra não apresentar nenhuma incidência no SIE (observando que se houver sido cadastrada, tem que apresentar os mesmos dados de edição);

  • Quando houver uma obra que tiver sido cadastrada por outra biblioteca que adote uma classificação diferente, inserir com seu respectivo campo e classificação sem efetuar um novo registro, ou seja, Itens idênticos tem que ser pendurados;
  • Identificar após o número de classificação quando for manual, guia etc.
  • Ao detectar um erro de classificação ou inserção, informar a respectiva biblioteca e o responsável pelo cadastro para que possa ser sanado o erro;
  • No final do campo 245, utilizar ponto e traço;
  • No campo 260, subcampo a – a cidade e seu estado ex: Rio de Janeiro, RJ : ; subcampo b – a editora e vírgula, salientando que quando se tratar de uma publicação de universidade, colocar antecedida pela identificação como sendo editora, o nome da Universidade por extenso seguida pela abreviatura se houver e vírgula,– Ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, com o ano de publicação ou copyright e ponto;
  • O número de termos catalogados no que diz respeito ao assunto serão no mínimo três, ficando a critério do catalogador inserir mais termos importantes para localização da obra pelo usuário na hora da pesquisa;
  • O modo de classificação dos materiais como Cd’s, DVD’s devem ser classificados utilizando as tabelas de classificação CDD ou CDU, antecedidos das respectivas identificações;
  • Os cadastros de autoridades devem ter como base a utilização das bases da Biblioteca Nacional e Library of Congress, entretanto, cabe ressaltar que no caso das mesmas estarem incorretas, ou apresentarem erros o parâmetro a ser adotado é seguir a regra que consta no AACR2;
  • O cadastro de assuntos deve seguir a Biblioteca Nacional quando a mesma possibilitar cabe ressaltar que o padrão de indexação dos termos deve seguir o padrão que segue no exemplo que consta no catálogo;
  • No campo 700 é preciso identificar se a autoridade não for um dos autores da obra, ou seja, se é, Organizador – (Org.), se é Tradutor (Trad.) e assim por diante, utilizando os indicadores 1 e # respectivamente; duplicando dessa forma, logo no catálogo vai constar um registro para cada identificação;
  • Quando for cadastrar autoridade atentar para os registros repetidos, fazer uma busca no SIE antes de cadastrar uma nova, no campo específico direcionado a pesquisa de autoridades e não no campo livre da pesquisa geral;
  • Atentar que o sistema não comporta obras com acentuação, logo na busca, pode ocorrer de a obra pesquisada não seja recuperada em função disso, já que a orientação que é passada aos usuários é não utilizar acentuação ou cedilha;
  • Observar as regras para as editoras;

Quando for mesma EDIÇÃO, mas DATA diferente usar mesmo Nº de Obra, ou, Edição diferente e mesma Data, e não houve alteração na obra, usar também mesmo Nº de Obra;

  • Itens

Observar a colocação dos valores e dados das notas nos campos dos itens. Sendo que o n. da nota deve ser no lugar onde consta patrimônio.

O item só poderá ser duplicado se for da mesma edição.


PERIÓDICO:

Classificação – usar tabela CNPQ, dentro das grandes áreas ordenar alfabeticamente por Título.

Ex.: Serviço Social & Sociedade – classificação CSA (Ciências Sociais Aplicadas)


A inserção no SIE está condicionada ao título ser corrente e se houverem mais de três exemplares. Obs.: Exceções considerar a relevância para o acervo e o Campus.

Obs.:Complementar os dados consultando o site do IBICT, CCN

Quando a opção for inserir os artigos dos periódicos, no momento de inserir o artigo, no campo do valor, para se chegar a esse dado é da seguinte forma – Preço = valor do nº dividir pelo nº de artigos indexados.

Os periódicos duplicados não serão inseridos na base, sendo então destinados a permuta e/ou doação;

Ao indexar os termos analisar se o termo a ser utilizado se encaixa no plural ou singular, de forma a facilitar a busca do usuário.

Colocar os dados de ISSN e CCN se houverem, completando ao máximo possível o catálogo.


Como indexar os termos?

DISSERTAÇÃO e TESE – Usar letra “D” antes da classificação de Dissertações “T” antes do nº de classificação de Teses.

REFERÊNCIA - Usar letra “R” antes do nº de classificação.

MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO - Usar letra “M” antes do nº de classificação.

CD, CD-ROM, DVD – Serão armazenados em armário e/ou estantes, organizados pelo nº de chamada, pela área de conhecimento.

Importante: Ao inserir o cadastro de uma nova autoridade, verificar a existência na pesquisa de autoridade. No que tange aos dados, buscar a base de dados no site da Biblioteca Nacional e Library of Congress levando em consideração que ao detectar erros, adotar o padrão correto, como por exemplo: a grafia do nome do autor estar errada ou não respeitando as regras que constam no Código de Catalogação. Outro fator importante é que quando for cadastrar uma autoridade que não consta nem na Biblioteca Nacional e nem na Library, identificar como sendo uma inserção da instituição no campo 675 ao invés de 670 – 675 CA-UNIPAMPA.

Cadastro de novos termos

No que diz respeito ao campo da Série o correto a ser utilizado é o 490, com indicador 1 que gera o campo 830 que repetirá o 490, porém sem parênteses e sem indicador


ISBN Quando existirem dois, colocar ambos. 020 9788521203387 020 8521202387


Pontuação

Identificação da edição no campo do item além da área 250

Respeitar as regras do AACR2

Informação de título original só na nota Não abreviar a palavra minutos

Itens idênticos tem que ser identificados, no caso de Folhetos, por exemplo, se forem o mesmo título, mesmo assim tem que ser identificados de forma individual, o mesmo ocorre para periódicos, teses, monografias, CD’s, DVD’s.

Diferenciação do cutter, quando a obra tiver o mesmo autor e título com a mesma inicial.

Itens idênticos devem ser pendurados, sendo diferenciado se necessário na classificação quanto a CDU ou CDD.

Identificar as editoras das instituições ex.: Não colocar apenas UFMG e sim por da seguinte forma: Ed. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG,

Observar as obras com acentuação, o sistema não permite acentuação.




Referências:

NUNES, C. O. Algumas considerações acerca da ausência de Políticas de indexação em bibliotecas brasileiras. In: Biblos, Rio Grande, v. 16 p. 55-61, 2004.


van der LAAN, R. H. FERREIRA, G. I.S. Tesauros e terminologia. Disponível em: < http://dici.ibict.br/archive/00000802/01/T149.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2011.


RIBEIRO, A. M. C. M. Catalogação de recursos bibliográficos : AACR2R em MARC 21. Brasília: Ed. do Autor, 2008. – 2 v.